Mother Love Bone: 25 anos do CD que catalisou o grunge para o mundo

O LP de estreia do MOTHER LOVE BONE, ‘Apple’, chegou às lojas no dia 19 de julho de 1990, permeado por uma nuvem de tragédia. Apenas 4 meses antes, o frontman do grupo, ANDY WOOD, morrera de uma overdose de heroína. Ele tinha apenas 24 anos.

Para seus amigos na cena musical de Seattle, sua morte foi um golpe. “Eu me senti muito só quando Andy morreu”, disse Chris Cornell do SOUNDGARDEN ao jornalista Lonn Friend da revista RIP em 1992. “Eu passava muito tempo com ele e tentei canalizar sua dor de modo criativo. A maior parte do tempo eu nem sabia que ele estava se drogando. Eu ofereci a ele que viesse morar comigo, porque ele tinha acabado de sair do tratamento. Ele ia viver na ilha com os pais dele, onde ele crescera. Eu achava que seria mais duro para ele. A maior parte do tempo era eu assistindo a ele lutando contra a vontade de se injetar, de beber. Não era como observar ele pirado, era mais como viver ele agonizando. ”

As coisas deveriam ter sido muito diferentes para o Mother Love Bone. ‘Apple’ deveria ter saído originalmente no mês que Wood morrera, e havia muita expectativa em relação ao disco. Isso devido em parte ao sucesso do EP ‘Shine’, de 1989, o primeiro trabalho da banda de Seattle por uma grande gravadora, mas também pela abordagem singular do Mother Love Bone. O grupo – que, além de Wood tinha os futuros membros do PEARL JAM Jeff Ament no baixo e Stone Gossard na guitarra, assim como o guitarrista Bruce Fairweather e o baterista Greg Gilmore – abraçava a tradição sem ser escravo dela.

Em ‘Apple’, o quinteto combinava momentos funk-metal, homenagens bluesy ao Led Zeppelin, carisma glam-grunge e a agressividade do hard rock com a pompa do hair metal em favor de algo com mais alma.

Quando ele finalmente foi lançado em julho, ‘Apple’ tinha perdido sua janela; na verdade, ele nem sequer conseguiu emplacar no Top 200 da Billboard nos EUA [um relançamento combinando ele e Shine em 1992, intitulado simplesmente ‘Mother Love Bone’, conseguiu bater no #77]. No fim de 1990, Ament e Gossard se reuniram na banda Mookie Blaylock [que seria rebatizada de Peral Jam logo depois] e começaram a se preparar para o que acabaria virando ‘Tem’, de 1991.

Os colegas de Wood fizeram sua parte para manter sua memória viva. Ament e Gossard uniram-se ao novo colega Mike McCready, Chris Cornell e Matt Cameron e ao produtor e tecladista Rick Parashar para formar uma banda tributo a Andy, o TEMPLE OF THE DOG, que lançou um disco autointitulado em 1991. Aquele disco acabaria registrando clássicos como ‘Hunger Strike’, e ‘Say Hello To Heaven’ que imprimiriam a marca de Wood até hoje.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: