Slave To The Grind: über-pedrada do Skid Row completa 24 anos

slave

O dia 11 de junho marca o vigésimo-quarto aniversário de lançamento do segundo álbum do SKID ROW, “Slave To The Grind”.

Seguindo o inesperado e avassalador sucesso do multiplatinado disco de estreia, ‘Slave To The Grind’ marca um direcionamento ousado e improvável para uma banda que estava bastante confortável no segmento mais ‘suave’ do hard rock oitentista, e aponta para uma temática lírica muito mais sombria, e para uma sonoridade mais diversificada, complexa e, destacadamente mais pesada do que a de todos os outros grupos contemporâneos do mesmo segmento naquele período, em parte por mérito do experiente produtor MICHAEL WAGENER, que exigiu o máximo que a banda pudesse dar em estúdio.

“Tudo estava acontecendo tão rápido e tudo estava tão louco e fora de controle”, disse Sebastian Bach em 2013. “Só queríamos mudar um pouco, eu gosto de cantar, e eu tenho voz para isso, mas queríamos fazer algo que fosse mais duro. Nós vimos o que estava acontecendo na cena. Eu gostava de Pantera. Eu adorava [o álbum ‘Cowboys From Hell’, e foi por isso que nós os convidamos para saírem em turnê conosco quando eles lançaram ‘Vulgar Display Of Power’, e foi o que impulsionou eles na época. Depois de um mês de turnê, o disco deles entrou nas paradas em #44. ”

O Skid Row compôs a maior parte de ‘Slave To The Grind’ em um estúdio de Nona Jérsei e então gravou as demos com o produtor. Um dos motivos pelos quais a faixa-título soa tão na cara e crua é porque ela fora gravada ao vivo na sala de ensaios antes de a banda viajar para os New River Studios em Fort Lauderdale, Flórida para gravar o resto do disco.

“A faixa Slave To The Grind foi gravada e mixada em uma hora, e é o que você ouve no disco”, disse Wagener ao Decibel Geek Podcast. “Não foi nem remixada. Tudo é ao vivo. ”

Verdade seja dita, esse é o melhor e mais grandioso registro da voz e do talento do vocalista bahamense SEBASTIAN BACH, que tem em ‘Slave To The Grind’ o maior momento de sua carreira.

Outra marca definitiva do LP é seu pioneirismo: este foi o primeiro disco de heavy metal a ESTREAR em primeiro lugar nas paradas de sucessos dos EUA, e com o sublinhar de o sistema de contagem ter sido revisto semanas antes, e ter a partir de então, credibilidade muito maior. Naquele mesmo ano de 1991, METALLICAVAN HALEN e GUNS N’ ROSES também teriam seus respectivos álbuns estreando em #1 na Billboard, mas todos na trilha do LP da banda de Nova Jérsei.

“Tenho muito orgulho daquele disco”, diz Bach. “Eu acho que poderíamos remasterizá-lo e fazer um excelente pacote de luxo com muito material bônus. Mas no momento, parece que eu sou o único da banda que está interessado”.

Atualmente, uma versão enriquecida do disco, com várias faixas-bônus e prensada em SHM-CD está em catálogo no Japão.

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: